quinta-feira, 26 de março de 2009

O Homem por detrás da máquina...

Lá vai o cabrão no camião – dizem muitos energumenes que infelizmente ocupam lugar neste mundo. Ocupam porque ao belo opõe-se o feio, ao mal o bem, ao triste o feliz, ao culto o inculto, ao sensato o insensato. Todos têm lugar nesta bola redonda, mas a compreensão do lugar do outro poucos atingem. Além disso cabrões há muitos e nem precisam de sair de casa por muitas horas para o serem.
Lá vai o brutamontes, será que um ser daqueles tem cerebro como a gente comum…terá sentimentos como os demais? Não deve…afinal é um camionista, e, como tal, foi desprovido de coração e emoção; faz vida num camião nem precisa de amor, carinho, compreensão – alvitram outros convencidos que falam uma verdadade irrefutável.
Lá vai o porco, sempre com aquela suada camisola de alças, bucho protuberante e cara de mau sem remédio. Tanto tempo que andam por lá deve ser só mulheres da má vida?! Sem tomar banho, a cozinhar ao lado do camião no meio do lixo. Também são camionistas, que se espera, tão-só feios palavrões, daquela boca não sai conversa direita, andam num camião nem precisam de saber falar qualquer coisita – defendem alguns obstinados mais pobres de vida.
E o homem por trás do camião? Esse é um Homem que sente, que pensa infinitamente sobre os seus que ficaram longe, que deixou e não sabe se volta a ver, a sorrir com eles, a sentir o seu amor, amizade, carinho; enfim, as sensações que fazem correr o sangue desde as veias mais finas às grandes artérias e repetidamente bater irrequietante o coração. Pulam as saudades constantes no pensamento menos pensado, pois não se pensa por pensar, pensa-se no que não se queria pensar: nos seus, no que ficou por fazer.
Quando se fecha a cortina, antes dos sonhos se apoderarem do corpo cansado mais uma vez a tormenta dos pensamentos, duros e decididos a ficar e moer. A saudade atinge o seu zénite. Não ter ninguém a quem dar uma palavra, a quem lançar um simples olhar e dizer boa noite. Resta imaginar, talvez abrir um pouco a cortina, olhar de encontro ao céu incendiado de estrelas e pardo do luar e saber que algures naquela direcção está alguém que nos faz existir e não fomos esquecidos pelos muitos quilómetros. Sentir que se faz parte do mundo e que por mais um dia não fomos esquecidos.
Afinal os camionistas são prisioneiros de sentimentos, o feio, porco e mau é uma pessoa como todas as outras. É feito da mesma massa e de todos os componentes humanos das restantes pessoas comuns. Compleição de carne e osso, impregnada de um coração amanteigado de emoções, razões, tentações, dor.
É um homem que sonha como todos os outros… e até sonha mais…

4 comentários:

Anônimo disse...

Há quem seja demasiado frustrado por ser quem é, então tem de encontrar algo para criticar nos outros. Os camionistas são um exemplo, há muito menino que fala desse modo acerca dos camionistas mas nem sequer tem tomates para fazer metade, para passar por metade... ;)Admiro toda essa capacidade de camionista. =)

AmSilva® disse...

tenho por norma um pensamento simples
as pessoas apenas desprezam o que não conhecem, e não querem conhecer, convencidos que eles são os melhores, os únicos, os maiores...
desconhecem apenas os outros 99.999% do mundo, desconhecem os própios sentimentos e desconhecem que a vida deles é que é insignificante quando comparada á de alguém que "corre mundo", desconhecem que eles apenas falam um idioma e quantas vezes mal, desconhecem que ao fazer uma comparação com um desses que andam de camião iriam ficar a muitos pontos, em desvantagem; desconhecem porque têm medo de conhecer com o o risco de afinal se sentirem inferiores.
Falam porque apenas conhecem os camiões do lixo, ou os dos aterros, geração antiga essa sim com parcos conhecimentos!
Abram os olhos , não só para nós "camionistas" actuais, mas abram os olhos para a vida que vos rodeia!
descubram que quem vocês desprezam é quem vos permite ter uma vida de luxos, é quem vos trouxe o carro, é quem vos traz o comer, é quase quem vos permite viver.
descubram que por trás de 40toneladas está uma pessoa, com sentimentos, que trata a saudade por tu, que vê o quanto este país está atrasado e ano após ano comete erros que já viu fora destas fronteiras abolidas.
Descubram que quem vai aos comandos da máquina que tanto vos incomoda na estrada é alguém como vocês, ou quem sabe até melhor!

Desculpa este "testamento" mas a verdade é que a ignorância das pessoas ainda não foi (e alguma vez será?) erradicada...
Abraço, boas viagens!!

Anônimo disse...

Oi joca, mais uma fantástica crónica tua...é fantástica a forma como vais mesmo ao lugar certo. Bem...comentários para quê? Estas de arabens, Joca. Um abraço do outro Joca, Cão k Fuma. Ainda vais escrever desde o parabrisas de uma Daf da jota...e se um joca é uita músca, com outro é muito mais. Faz a mala...não esqueças boné do benfica e um palitozinho para colocar no dente enquanto falas com as pessoas por aí. Abraço man
Homem-Fantasma

errante disse...

Boa noite,sou camionista na Inglaterra,conduzo 1 porta-automoveis de 3 pisos.Os primeiros comentarios deste blog acerca deste pais sao 1 pouco depreciativos,talvez seja essa a diferenca entre um chofer e um curioso (SEM OFENSA)tambem nao gosto deste pais,apenas das ££££,mas 1 coisa e certa,deve ser o pais mais civilizado do mundo na estrada,conduzem ao contrario,e certo, mas nao e facil para 1 estrangeiro como eu adaptar-se a tal situacao,nao quando temos que conduzir 1 articulado de volante a direita,desculpem a falta de acentos mas o meu pc e ingles e nao tenho como meter acentos e essa coisa toda.se houver alguem interessado em fotos de 1 porta-automoveis a serio, eu envio, o meu email e errante@hotmail.co.uk