sábado, 2 de agosto de 2008

Eu e o Virgolino no Centro Comercial

Depois de um belo fim-de-semana com piscina e banhos de sol abalei para Neu Ulm. Sempre a dar ferro pois tinha que descarregar os pneus quinta às 4:45 da manhã. Lá fui cortando caminho novamente estrada do centro adentro. Porém, desta decidi fazer uma nacional entre Chalon e Mulhouse. Perdi quase uma hora é certo mas a paisagem vale bem mais que isso. Aldeias típicas e rústicas e percurso acompanhado de um belo rio. Aliás se o horário me desse para dormir lá teria sido magnífico. O rio vai serpenteando paralelo à estrada por vezes preso em diques seguidos formando escadarias de pequenas cataratas. Verdadeiramente lindo de se contemplar. As casas típicas e as ruas tradicionais convidam a um passeio. Não resisti, apesar do pouco tempo; parei o Virgolino e ainda coloquei as mãos para medir a temperatura da água. Mas para a próxima espero ter tempo para tirar umas fotos e verem como a descrição corresponde à imagem numa perfeição sublime.
Quando descarreguei fui primeiro carregar a uma aldeia numa serra coberta de um denso bosque vestido de verde-escuro e castanho Outono para completar a carga em Estugarda. Aqui sim fui recebido por uma loura gira e muito simpática, cruzando-se os nossos olhares durante longos segundos. Houve uma sintonia de olhares que não me evitaram de estar um dia inteiro para me carregarem, e eu a ver o horário a acabar.
Posto isto vim por aí fora até Barbezieux, onde passei o fim-de-semana acompanhado pelo Pequeno Loureiro e um companheiro da Viana e Gonçalves que já havia passado o ultimo fim-de-semana comigo em Montluçon. Fomos á discoteca ver as meninas e o certo é que fizemos sucesso. Pois é, estávamos diferentes de todos os arranjadinhos com ar de garganeiros. Camisola de alças, calções e chinelos de enfiar no dedo. No domingo fomos para um lago que ladeia a vila onde demos banho à minhoca e bebemos uma belas cervejas, pagas ao preço do ouro.
Enfim, e assim passei o fim-de-semana na boémia. Terça cheguei a Madrid para descarregar em três clientes e ainda dormi em Torija, perto de Guadalajara, onde carreguei pela manha para Gondomar. Aqui sim, foi o fim do mundo. O Virgolino passeou por toda a zona comercial de Gondomar, entre ruas estritas e péssimos condutores. Parei numa rotunda para perguntar onde se situava o cliente provoquei logo um número infinito de buzinadelas, e eu na minha. Depois no centro comercial, feito para carros ligeiros temos que descarregar e passar pelo meio do centro comercial quase a raspar em colunas de betão e paredes. As pessoas até ficam imóveis a ver a perícia dos motoristas na verdadeira aventura de passar ali com um camião Tir. No meio de espera para tirarem os carros que me impediam de passar fiz 30 minutos a mais no disco, o que dá a módica quantia de mais de 300 euros em Espanha e eu sem culpa nenhuma. Apenas porque o fui obrigado a fazer. Se fosse o polícia que estivesse no meu lugar o que faria pergunto? Deixava o camião no meio da via era…Acho que também tem de haver compreensão porque ao olhar para o disco dá para ver perfeitamente que andei aos soluços e algo estranho se passou, mas isso para eles não interessam esfregam logo as mãos de contentes. Agora ando aqui à rasca durante um mês uma vez que temos que nos fazer acompanhar dos discos dos últimos 28 dias. Vocês podem não acreditar mas um polícia, pelo menos na Espanha e França, fica rancoroso quando não tem por onde pegar. Eu próprio não acreditava mas já testemunhei com estes lindos olhos. Ou seja no lugar de ficarem excelsos de alegria ao verem que os motoristas cumprem, ficam é possessos de não apresentarem quantias exuberantes aos seus superiores. Isto tudo é um recado para aqueles que pensam que isto é fácil e que se ganha 1500 euros a conduzir. Esses que falam assim não lhes dava uma semana aqui, porque com certeza que não aguentariam. Cinco minutos a mais no horário pode dar uma multa elevada…
Que tirem a carta e venham cá que eu quero-os ver, nem os 1500 euros os segurariam..
O que interessa é que estou em casa e se tudo há-de correr bem que na segunda vou para a Holanda. Querem vir?
Xau

Um comentário:

Sandrita disse...

Olá Joni,

Que belas aventuras tu contas!É bom ver o teu entusiasmo, mesmo quando atravessas, de cabeça erguida, as dificuldades da profissão (todas elas têm).

Que continues a fazer boas viagens a bordo do teu camião